Listen in English:

Listen in Portuguese:


Downloads:


How did this story make you feel?

Please choose one

This is how other readers felt

Plus 3871 others

Share this story:

Internet safety:

www.thinkuknow.co.uk


Share your work

The Love of the Forest

The Love of the Forest
Find out more
about the contributors

The Love of the Forest

A Brazilian Story by Aline Brasil


The sun rises above the Amazon rainforest and the huge, evergreen trees allow rays of light to pass between their leaves and paint the forest floor in dappled shadows.  In one of the taller trees, little monkey Dora is waking up.  Dora is a pretty little monkey with brown hair and a long tail.  She wishes that she could sleep some more, but there is no time to lose.  Today is the day of the big party. 

Monkeys will come from far and wide to attend the party, even from neighbouring countries such as Peru and Bolivia.  The big party, held in the Brazilian part of the Amazon Rainforest, is always a very big success.  There is music and dancing, and often a monkey will find a mate and fall in love.

Dora is very excited because this year she has been asked to help the older monkeys of the community with the organizing of the party.  This is a very great responsibility and there is no time to lose. 

Dora arrives at the meeting early and is very pleased to see her friend Tinga.  Tinga is an indigenous name meaning ‘of white colour’.  This is the perfect name for Dora’s friend as he has white hair and green eyes.  Tinga is a very rare and shy monkey, but  when he sees Dora his eyes light up with joy.

The other monkeys often laugh at Tinga’s strange white hair and green eyes, but Dora does not like such jokes.  She thinks that her friend is very handsome, even though her heart belongs to another monkey called Paco.  Paco is a big, strong monkey with thick, black hair who lives in the forest on the very edge of Bolivia.

Dora first met Paco at the big party the previous year.  They danced together only once but Dora knew then that her heart belonged to him.  She also remembers that Paco was arrogant, and that he did not pay her very much attention.  He had said that Dora was too young, and that she was always lost in her own fantasy world. 

Despite all of this, Dora is looking forward to seeing Paco again, and such thoughts make her even more excited about the party.

Chief Ubirajara, a very big and very brave monkey, calls the meeting to order and begins to hand out tasks to the assembled monkeys.  Eventually it is Dora’s turn to be given her special task for the day, but the little monkey is so lost in her own thoughts that she does not hear Chief Ubirajara’s instructions.

‘...Dora!  Dora!  Have you been listening to a word I have said to you?  You are always lost in your fantasy world, even today when there is so much work to be done.’

Dora is startled and stammers her reply.  ‘I... I am very sorry, Chief Ubirajara.  Could you please repeat what it is you would like me to do today.’

Chief Ubirajara is a little impatient with young Dora but he understands that she is still young and that she is also very excited about the party.

‘You must find for us the most beautiful and delicious cupuaçu and açai berries and the finest Brazil nuts for our feast tonight.’ 

Chief Ubirajara claps his hands and smiles at the eager faces gathered in the forest clearing.  ‘Now that everyone knows what to do, let’s get to work!’

And so the monkeys part company, each one determined to fulfil their task in preparation for the big party.

Dora very much likes the idea of being in charge of finding the food for the feast. She loves to explore the forest, jumping from branch to branch between the tall trees.  She also loves to look at the beautiful plants and rich wildlife that fill her beloved forest. 

‘I am the best person to chose for a job such as this,’ thinks Dora, as she sets off on her journey, determined to climb the tallest trees in order to find the most purple açais and sweetest cupuaçus.

After many hours of hard work, Dora’s bag is filled with a rich bounty of fruits and nuts.  She thinks how proud Chief Ubirajara will be when he sees what a good job she has done. This thought makes the little monkey very happy as she hoists the bag onto her shoulders and heads for home.

When Dora is halfway home, her thoughts are interrupted by a strange sound in the forest.  She looks all about her but does not see anything unusual.  She tells herself to take extra care, but before long her thoughts drift again to the coming party and the dancing and celebrating that will be had by all.  She thinks about how she will tidy her hair, and what she will say when she sees Paco.

‘I wonder if he will still think that I am too young.  Even so, he will surely be impressed by the beautiful fruits and nuts I have gathered for the feast?’

Dora’s thoughts are interrupted again when she notices a rich, juicy cupuaçu on the forest floor in front of her.  ‘How lucky to find a beautiful fruit such as this,’ she thinks, and runs to pick up the cupuaçu and add it to her bag.

But as soon as Dora’s hand reaches out towards the fruit, a huge net pulls tight around her body and hoist the little monkey up into the air.

Dora knows about such traps and is very scared.  She cries out for help but the birds of the forest do not seem interested in her suffering.  She struggles to free herself from the heavy netting but it is no use at all.

‘Help! Help me!’ cries Dora.  But there are no animals around to help, and she is unable to wriggle free of the heavy netting by herself.

A great sadness descends upon Dora; her strength leaves her and she is unable to struggle any longer.  She does not understand why humans set such traps to capture the monkeys of the forest.  Her eyes fill with tears at the thought of being dragged away from her home, of never again jumping from branch to branch among the ancient trees, or of experiencing the great rain storms.

‘We do not do the humans any harm,’ she thinks. ‘We enjoy the forest and only wish to be free.  I love this forest so much and I would not know how to live if I were taken away from all of this rich life, all the beautiful fruits that grow in the trees and the fresh water that runs in the river.  How will I survive if they take me away from my friend Tinga?’

Dora hears a sound coming from the trees at the edge of the clearing.  Human voices! They are coming towards her.  ‘This is the end!’ she thinks. ‘I cannot escape.’

As the voices get closer and closer, Dora thinks about how much she loves her forest, how much she has always loved her forest. 

Suddenly a wind whips up from the forest floor, a spinning whirlwind that heads straight for the humans.  Dora can hear laughter in the air.  Then a small boy appears out of nowhere.  The boy has flaming red hair, he has very big ears, and his feet are pointing the wrong way, sticking out behind him as if twisted all the way around.

The whirlwind comes to a stop and Dora realizes that this is, in fact, another boy; this boy appears very dark, he has only one leg and wears upon his head a bright red hood.  He has a pipe in his mouth and is smiling gaily as if having a wonderful time.

Dora cannot believe her eyes.  ‘Is it really Curupira and Saci come to save me?’ she thinks.  The little monkey had only heard of the two boys in stories told by her ancestors.  Their existence belonged in legend and as such Dora was never sure if the legend was true.

At that moment a voice fills Dora’s ears. ‘When you love the forest, little one, the forest also loves you. This is the protection that I send to you to keep you safe.’

Now Dora is sure that what she sees is real, and she is filled with gratitude and love.

Saci begins to spin on his leg once more, creating a great whirlwind all about him.  Curupira arms himself with an ugly face, and together the two head towards the humans making a terrible noise that would scare any grown man right down to his soul.

The humans run from the forest as fast as they can, never once looking back towards Curupira and Saci; and they promise all the time that they will never again enter the forest to set their traps.   

When the humans have gone, Curupira and Saci free Dora from her net and make sure that she is not harmed in any way.  The little monkey is so grateful that she offers her bag of fruits and nuts as a way of saying thank you to the brave boys of the forest.

Curipira takes the bag with gratitude.  He smiles at Dora saying, ‘always take care of the forest and the forest will always protect you in return.’  With these words he walks from the clearing on his backwards feet and disappears among the tall trees.  Saci then turns into a whirlwind once again and spins off in to the forest behind his friend.

Dora pauses for just a moment before running back in the direction of her home, eager to tell her magical story to the monkeys who are already dancing and celebrating at the big party.

When she arrives back home, Dora apologizes to Chief Ubirajara for not bringing her bag of fruit as instructed.  She eagerly explains how Curipira and Saci saved her from being kidnapped by the humans and of how she offered the fruit as a thank you for their bravery.  Chief Ubirajara nods patiently at young Dora and seems only grateful that she has returned safely. 

Just then Paco steps out from the crowd that has gathered to hear Dora’s amazing story.  ‘You are really a silly monkey, aren’t you!’ he says, in his proud voice.  ‘Only a dreamer such as you could believe in the legend of Curupira and Saci.’

Dora realizes that Paco is actually a big fool.  She tells herself that she will have nothing to do with him any longer.  ‘He is too proud and arrogant and I have been foolish to feel anything for a monkey such as him,’ she thinks to herself.

Then little Dora spots her friend Tinga entering the party from the forest.  She runs towards him with a smile.

Tinga is very happy to see that his friend is safe.

‘Where have you been, Dora?  What happened?’

Dora tells Tinga all about her adventure in the forest.  She tells about the humans and being caught in the net and meeting the two legends of the forest.  Dora also realizes how much she cares for Tinga and remembers how it was him that she thought of the most when she was caught in the net, and how she felt so very sad at the thought of never seeing him again.

Tinga and Dora are very happy and reach out and hug one another. 

‘I am so glad that you are safe, Dora.’

‘And I am glad to be with you again, Tinga,’ the little monkey says as she takes him by the hand and leads him onto the dance floor.

The party fills with music and laughter.  The sun goes down and the stars fill the night sky above the ancient rain forest.  Dora and Tinga dance together all night long, happy to be with one another, happy to be at the big party in the forest.

Out of the corner of her eye, Dora is sure she sees a whirlwind and a boy with flame red hair running between the trees in the forest.  She is grateful to be surrounded by her friends and by the beautiful forest she calls home.

 

Tips of pronunciation (if necessary)

curupira       koo-roo-pee-rah
saci   sa-ci
cupuaçu   koo-pu-ah-sue
açai   a-sa-hee
Ubirajara   oo-bee-ra-ja-ra
tinga   chin-ga
paco   pα-co (α as in arm)
dora   do-rα
The Love of the Forest
Find out more
about the contributors

The Love of the Forest

A Brazilian Story by Aline Brasil


O Amor Da Floresta

O sol sobe acima da floresta Amazônica e as árvores enormes perenes, permitem raios de luz para passar entre suas folhas e pintar o chão da floresta em sombras sarapintadas. Em uma das árvores mais altas, a pequena macaca Dora está a acordar. Dora é uma macaca bonita com cabelo castanho e uma cauda longa. Ela deseja que pudesse dormir mais um pouco, mas não há tempo a perder. Hoje é o dia da grande festa.

Macacos virão de longe para participar da festa, mesmo a partir de países vizinhos, tais como Peru e Bolívia. A grande festa, realizada na parte Brasileira da Floresta Amazônica, é sempre um sucesso muito grande. Há música e dança, e muitas vezes um macaco vai encontrar um companheiro e se apaixonar.

Dora é muito animada porque este ano ela foi convidada a ajudar os macacos mais velhos da Comunidade com a organização da festa. Esta é uma responsabilidade muito grande e não há tempo a perder.

Dora chega na reunião cedo e está muito contente de ver seu amigo Tinga. Tinga é um nome indígena que significa 'de cor branca'. Este é o nome perfeito para o amigo de Dora como ele tem cabelos brancos e olhos verdes. Tinga é um macaco muito raro e tímido, mas quando ele vê Dora seus olhos acendem com alegria.

Os outros macacos frequentemente riem dos cabelos brancos e olhos verdes estranhos de Tinga, mas Dora não gosta dessas piadas. Ela acha que seu amigo é muito bonito, mesmo que seu coração pertence ao outro macaco chamado Paco. Paco é um macaco grande e forte com cabelo grosso e preto que vive na floresta no limite da Bolívia.

Dora conheceu Paco na grande festa do ano anterior. Eles dançaram juntos apenas uma vez, mas Dora soube então que seu coração pertencia a ele. Ela também lembra que Paco foi arrogante, e que ele não lhe deu muita atenção. Ele tinha dito que a Dora era muito jovem, e que ela sempre foi perdida em seu próprio mundo de fantasia.

Apesar de tudo isso, Dora está ansiosa para ver Paco novamente, e tais pensamentos fazem-la ainda mais animada com a festa.

Chefe Ubirajara, um macaco muito grande e muito corajoso, chama a reunião a ordem e começa a distribuir tarefas para os macacos reunidos. Finalmente é a vez de Dora ser dada sua tarefa especial para o dia, mas a pequena macaca está perdida em seus próprios pensamentos que ela não ouve as instruções do chefe Ubirajara.

‘...Dora! Dora! Você esteve a ouvir uma palavra se quer que disse para você? Você está sempre perdida no seu mundo de fantasia, mesmo hoje quando há muito trabalho a ser feito.'
Dora fica assustada e gagueja sua resposta. ‘Me... Me desculpe, chefe Ubirajara. Você poderia por favor repitir o que é que você gostaria que eu fizesse hoje.'

Chefe Ubirajara fica um pouco impaciente com a jovem Dora mas ele entende que ela é ainda jovem e que ela também está muito animada com a festa.

'Você têm a obrigação de encontrar para nós os mais belos e deliciosos cupuaçus e bagas Açaís e melhores nozes do Brazil para a nossa festa hoje à noite.'

Chefe Ubirajara bate suas mãos e sorri para as faces ansiosas reunidas na clareira da floresta. 'Agora que todo mundo sabe o que fazer, vamos ao trabalho!'

E assim os macacos separaram-se da companhia de um a outro, cada um determinado a cumprir a sua missão em preparação para a grande festa.

Dora gosta muito da idéia de ser encarregada de encontrar o alimento para a festa. Ela ama explorar a floresta, saltando de ramo para ramo entre as árvores altas. Ela também gosta de olhar para as plantas belas e a rica vida selvagem que preenche sua amada floresta.

'Eu sou a melhor pessoa a escolher para um trabalho como este,' pensa Dora, quando partia para sua viagem, determinada a escalar árvores mais altas para encontrar os mais roxos açaís e cupuaçus mais doces.

Depois de muitas horas de trabalho duro, o saco de Dora encheu com uma recompensa rica de frutos e nozes. Ela pensa o quanto orgulhoso Chefe Ubirajara será quando ele ver o qual bom trabalho que ela fez. Este pensamento faz com que a pequena macaca se sinta muito feliz enquanto ela talha o saco para os seus ombros e dirige-se para casa.

Quando a Dora estava a meio caminho de casa, seus pensamentos são interrompidos por um som estranho na floresta. Ela olha em sua volta, mas não vê nada de anormal. Ela diz-se tomar cuidado extra, mas antes de muito tempo seus pensamentos derivam novamente para a festa vindoura e a dança e a celebração que irá ser tido por todos. Ela pensa sobre como irá arrumar o seu cabelo, e o que vai dizer ao ver Paco.

' Gostaria de saber se ele ainda vai pensar que eu sou muito jovem. Mesmo assim, ele certamente vai ficar impressionado com os belos frutos que eu colhi para a festa?'

Os pensamentos de Dora são interrompidos novamente quando ela nota um rico e suculento cupuaçu no chão da floresta à sua frente. 'Que sorte de encontrar uma fruta bonita como esta', ela pensa e corre para pegar o cupuaçu e adicioná-lo ao seu saco.

Mas tão logo que a mão de Dora chega a fruta, uma enorme rede puxa apertada em torno de seu corpo e eleva a pequena macaca ao ar.

Dora sabe sobre essas armadilhas e está muito assustada. Ela clama por ajuda, mas os pássaros da floresta não parecem interessados em seu sofrimento. Ela luta para libertar-se da rede pesada mas não ajuda em nada.

' Ajuda! Me ajude!' grita Dora. Mas não há nenhum animal em volta para ajudar, e ela é incapaz de se desvencilhar da rede pesada por si mesma.

Uma grande tristeza desce sobre Dora; sua força a deixa e ela não é capaz de lutar por mais tempo. Ela não entende por que os seres humanos arma essas armadilhas para capturar os macacos da floresta. Seus olhos enchem de lágrimas ao pensamento de ser arrastado fora de sua casa, de nunca mais pular de ramo para ramo entre as árvores antigas ou de sentir as tempestades de chuva grande.

'Nós não causamos aos seres humanos qualquer dano,' ela pensa. ' Nós desfrutamos da floresta e somente desejamos ser livre. Eu amo esta floresta tanto e eu não saberia como viver se eu for tirado de toda esta rica vida, belos frutos que crescem nas árvores e a água fresca que escorre no Rio. Como eu sobreviveria se eles me levar longe de meu amigo Tinga?'

Dora ouve um som proveniente de árvores na borda da clareira. Vozes humanas! Eles estão vindo em sua direcção. Este é o fim! ela pensa. 'Eu não posso escapar'.

Enquanto as vozes aproximam cada vez mais perto, Dora pensa sobre o quanto ela ama sua floresta, o quanto ela sempre amou a sua floresta.

De repente um vento rodopiou do chão da floresta, um turbilhão de fiação que se direccionou directamente aos seres humanos. Dora pode ouvir o riso no ar. Em seguida, um pequeno garoto aparece do nada. O garoto têm cabelo vermelho flamejante, ele têm orelhas grandes e seus pés estão apontando na direcção errada, saindo a sua trás como se torcido toda a volta.

O turbilhão para e Dora percebe que se trata, na verdade, de um outro menino; Este menino aparece muito escuro, ele têm apenas uma perna e veste a sua cabeça um capuz vermelho brilhante. Ele têm um cachimbo na boca e está sorrindo alegremente como estivesse a ter um tempo maravilhoso.

Dora não acredita no que seus olhos vê. 'É realmente Curupira e Saci que vieram me salvar?' ela pensa. A pequena macaca só tinha ouvido falar dos dois meninos em histórias contadas por seus antepassados. Sua existência pertencia nas lendas e como tal Dora nunca tinha certeza se a lenda era verdade.

Naquele exacto momento uma voz encheu os ouvidos de Dora. ' Quando você ama a floresta, pequenita, a floresta também te ama. Esta é a proteção que eu envio a você para mantê-la segura.'

Agora Dora têm certeza que o que ela vê é real, e ela está cheia de gratidão e amor.

Saci começa a girar sobre sua perna, mais uma vez, criando um grande turbilhão em sua volta. Curupira arma-se com uma cara feia, e juntos os dois foram em direcção aos seres humanos fazendo um barulho terrível que ia assustar qualquer homem crescido direito até sua alma.

Os seres humanos correm da floresta tão rápido quanto eles podem, nunca uma vez olhando para trás, no sentido de Curupira e Saci; e eles prometem o tempo todo que eles nunca mais vão entrar na floresta para armar suas armadilhas.

Depois dos seres humanos terem ido, Curupira e Saci livram Dora de sua rede e certificaram-se de que ela não está machucada de alguma forma. A pequena macaca é tão grata que ela oferece seu saco de nozes e frutas como uma maneira de dizer obrigada aos meninos admiráveis e corajosos da floresta.

Curipira leva o saco com gratidão. Ele sorri para Dora dizendo, ' toma conta da floresta sempre e a floresta irá sempre protegê-lo em retorno'. Com estas palavras ele sai andando da clareira com os seus pés para trás e desaparece entre as árvores altas. Saci, em seguida, se transforma em um turbilhão mais uma vez e gira para a floresta atrás de seu amigo.

Dora pausa por apenas um momento antes de correr de volta em direção a sua casa, ansiosa para contar sua história mágica para os macacos que já estão dançando e celebrando na grande festa.

Quando ela chega de volta a casa, Dora pede desculpas ao Chefe Ubirajara por não trazer seu saco de frutas como instruído. Ela ansiosamente explica como Curupira e Saci a salvou de ser seqüestrada pelos seres humanos e de como ela ofereceu o fruto como agradecimento por sua bravura. Chefe Ubirajara acena pacientemente à joven Dora e só parece grato que ela retornou com segurança.

Naquele exacto momento Paco deu um passo para fora da multidão que se reuniu para ouvir a história surpreendente de Dora. "Você é realmente uma macaca parva, não é!", diz ele, na sua voz orgulhosa. 'Apenas um sonhador, como você poderia acreditar na lenda do Curupira e Saci'.

Dora percebe que o Paco é realmente um grande tolo. Ela diz-se que não vai ter nada a ver com ele por mais tempo. 'Ele é muito orgulhoso e arrogante e eu fui tola para sentir qualquer coisa por um macaco, como ele,' ela pensa consigo mesma.

Depois a pequena Dora vê o seu amigo Tinga saindo da floresta e entrando na clareira. Ela corre em sua direção com um sorriso.

Tinga está muito feliz em ver que a sua amiga está segura.
' Onde você esteve, Dora? O que aconteceu?'

Dora diz Tinga tudo sobre sua aventura na floresta. Ela fala sobre os seres humanos e sendo capturada na rede e encontrando as duas lendas da floresta. Dora também percebe o quanto ela se importa com Tinga e se lembra de como foi ele que ela pensou mais, quando ela foi pego na rede, e como ela se sentiu tão muito triste com a idéia de nunca vê-lo novamente.
Tinga e Dora estão muito felizes e aproximam-se e abraçam um ao outro.

' Eu estou tão feliz que você está segura, Dora.'

'E eu estou feliz por estar consigo novamente, Tinga,' a pequena macaca diz enquanto o levava pela mão e o leva para a pista de dança.

A festa enche com música e risos. O sol se põe e as estrelas enche o céu acima da antiga floresta tropical. Dora e Tinga dançam juntos toda a noite, feliz por estar um com o outro, feliz por estar na grande festa na floresta.

Fora do canto do seu olho, Dora têm certeza que ela vê um turbilhão e um menino com cabelo vermelho flamejante correndo entre as árvores da floresta. Ela é grata por estar cercada por seus amigos e pela floresta bonita que ela chama de casa.

 

Dicas de pronúncia (se necessário)

curupira       koo-roo-pee-rah
saci   sa-ci
cupuaçu   koo-pu-ah-sue
açai   a-sa-hee
Ubirajara   oo-abelha-ra-ja-ra
tinga   queixo-ga
paco   pα-co (α como no braço)
dora   fazer-rα

Other Portuguese Stories

The Curse

The Curse

Language: English/Portuguese  Origin: Portugal

They say in my country that there is a curse upon the seventh son born to any family. The curse will not befall any daughters, but if a mother gives birth to seven sons then the last of these sons will...

Enjoy this story in: English Portuguese

Deer and Jaguar

Deer and Jaguar

Language: English/Portuguese  Origin: Brazil

Deer walked along by the great river into the forest: ‘Oh, but what a life have I got? No home. Perhaps I will build myself a house. Here is as good a place as any...’

Enjoy this story in: English Portuguese

Half a Year in Gra-Bretanha

Half a Year in Gra-Bretanha

Language: English/Portuguese  Origin: Brazil

‘Why does it always rain here?’ Natalia asked her mother. Natalia’s mother looked up from her newspaper in surprise. ‘It rains in Brazil too,’ she said...

Enjoy this story in: English Portuguese

The Legend of the Mafumeira

The Legend of the Mafumeira

Language: English/Portuguese  Origin: Brazil

Deep within the forest there lives the tallest of all trees. They stretch their thick branches full of leaves up into the blue skies and give us oxygen to breathe. Their trunks are very wide and many of these beautiful giants have been in the forest for hundreds of years...

Enjoy this story in: English Portuguese


See more: 1 2

View All

Your World

Please send us stories, pictures, poems and responses. We’ll display your work in our World Stories Gallery. Enter our national writing and art competitions. Win certificates and prizes.